LEIA +

ELEIÇÃO PARA DIRETORIA E CONSELHO DA AMEA

E D I T A L - E L E I Ç Ã O A AMEA, Associação Maringaense de Engenheiros Agrônomos com sede na Av. Dr.Gastão Vidigal, 1.190, Maringá – PR, através da Comissão Eleitoral constituída pelos Engenheiros Agrônomos José Antonio Borghi, Ivo Grando e Valdomiro Tormen, com base no Capítulo 4 do...

LEIA +

Congresso Paranaense de Engenheiros Agrônomos

Ocorreu entre os dias 03 e 05 de agosto de 2016 em Pato Branco o 17º Congresso Paranaense de Engenheiros Agrônomos, em Pato Branco, PR. O evento foi um sucesso....

LEIA +

CURSO DE PERÍCIA AMBIENTAL

Ocorreu nos dias 04 e 05/08/2016 no auditório do CREA em Maringá o curso de Perícia Ambiental, promovido pela AMEA e Maxiambiental. O evento foi um sucesso....

LEIA +

CURSO SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL E SGA PROMOVIDO PELA AMEA

A AMEA juntamente com a Associação dos Geógrafos Brasileiros/Seção Maringá promoveu hoje, 08/04/2016, o Seminário Regional de Licenciamento Ambiental, juntamente com o Curso de Sistemas de Gestão Ambiental (SGA). O evento ocorreu no auditório do CREA em Maringá e contou com a presença de mais de 100...

ARTIGOS

00/00/0000

A PROFISSÃO DO ENGENHEIRO AGRÔNOMO -

A Agronomia ou Engenharia Agronômica é, dentro das ciências agrárias, um campo multidisciplinar que inclui subáreas aplicadas das ciências naturais (biológicas), exatas, sociais e econômicas que trabalham em conjunto visando aumentar compreensão da agricultura e melhorar a prática agrícola, por meios de técnicas e tecnologias, em favor de uma otimização da produção, do ponto de vista econômico, técnico, social e ambiental.
No Brasil a profissão de Engenharia Agronômica é regulamentada pelo Confea - Conselho Federal de Engenharia e Agronomia e fiscalizada pelos Conselhos Regionais, CREA's, instalados em cada estado.
A Engenharia Agronômica produz pesquisas e desenvolvem as técnicas que melhoram os resultados da agricultura como, por exemplo, manejo de irrigação, quantidade ótima de fertilizantes, maximização da produção em termos de quantidade, melhoria da qualidade do produto, seleção de variedades resistentes à seca, doenças e pragas, desenvolvimento de novos agrotóxicos, modelos de simulação de crescimento de colheita, técnicas de cultura de células in vitro. Elas estudam também a transformação de produtos primários em produtos finais de consumo como por exemplo a produção, preservação e embalagem de produtos lácteos e a prevenção e correção de efeitos adversos ao ambiente (e g., degradação do solo e da água), ou seja, estuda a interação do complexo homem, planta, animais, solo, clima, causa e efeito.
As pesquisas agronômicas, mais que as de outros campos, estão fortemente relacionadas ao local em que são realizadas. Fato semelhante ocorre com as técnicas derivadas dessas pesquisas.
Assim, esse campo pode ser considerado uma ciência de eco-regiões porque está ligado a características locais de solo e clima que nunca são exatamente iguais nos diferentes lugares geográficos. Os sistemas agrícolas de produção devem levar em conta características como clima, local, solo e variedades de plantas e animais de produção que precisam ser estudados a nível local. Outros sentem que é necessário entender os sistemas de produção de uma forma generalizada de maneira que o conhecimento obtido possa ser aplicado ao maior número de locais possíveis.
Os Engenheiros Agrônomos atuam de forma eclética e integrada nas atividades rurais, como horticultura, zootecnia, engenharia rural, economia, sociologia e antropologia rurais, ecologia agrícola, etc.
Atualmente, as ciências agrícolas são muito diferentes das de antes de 1950. A intensificação da agricultura que desde a década de 1960 vem sendo realizada por muitos países desenvolvidos e em desenvolvimento é frequentemente denominada revolução verde.
Esta intensificação tem-se baseado na seleção genética de variedades de plantas e de animais capazes de alta produtividade e no uso de insumos artificiais como fertilizantes e produtos que visam aumentar a produção através do aumento da sanidade dos vegetais e animais utilizados. Por outro lado, o dano ambiental que esta intensificação da agricultura vem causando (associado ao dano que o desenvolvimento industrial e o crescimento populacional que essa intensificação permite) estão levando muitos cientistas a criar novas técnicas como o manejo integrado de doenças e de pestes, técnicas de tratamento de dejetos, técnicas de minimização de desperdício, arquitetura da paisagem.
Além disso, campos como os da biotecnologia e da ciência da computação (processamento e armazenagem de dados) estão tornando possível o progresso e o desenvolvimento de novos campos de pesquisa, como a engenharia genética e a agricultura de precisão.
Desta maneira, atualmente os pesquisadores que trabalham em ciências agrícolas e nas ciências a ela associadas equacionam o problema de alimentar a população do mundo ao mesmo tempo em que previnem a ocorrência de problemas de biossegurança que possam afetar a saúde humana e o ambiente. Este é o motivo pelo qual eles buscam promover um melhor manejo de recursos naturais e do respeito ao ambiente.
Os aspectos sociais, econômicos e ambientais são temas que estão em debate atualmente. Crises recentes, como a doença da vaca louca (encefalopatia espongiforme bovina) e o debate sobre o uso de organismos geneticamente modificados ilustram a complexidade e importância deste debate.

Fonte: Wikipédia (09/07/2013)


Voltar